Optimizing SLow-moving and OBsolete inventory (SLOB)

Discover effective strategies to manage Slow-Moving and Obsolete (SLOB) inventory for enhanced supply chain profitability. Learn to identify, optimize, and liquidate inventory to safeguard your business’s vitality.

Descrição

Gerenciamento eficaz do estoque de baixa movimentação e OBsoleto (SLOB): Um pilar vital do controle de estoque

No cenário dinâmico do controle de estoque, é possível que o seu depósito já abrigue uma série de estoques obsoletos e de baixa movimentação (SLOB). Como esses produtos continuam a definhar em seu estoque, a presença deles representa uma ameaça iminente à vitalidade de sua empresa. No próximo discurso, você elucidará uma estratégia abrangente para monitorar de forma vigilante e gerenciar proficientemente seu SLOB, garantindo a lucratividade duradoura de sua cadeia de suprimentos e a sustentabilidade de seus negócios.

O termo “slow-moving” é empregado apropriadamente para delinear bens ou produtos caracterizados por taxas de rotatividade lentas em uma empresa. Por outro lado, “obsoleto” refere-se a bens ou produtos que caíram no esquecimento, seja devido à falta de demanda ou à interrupção de sua produção pelo fornecedor.

O estoque de baixa rotatividade representa um dos aspectos mais desafiadores do gerenciamento de estoque, podendo imobilizar recursos e capital valiosos que poderiam ser empregados de forma mais eficaz. Identificar e gerenciar esses itens é fundamental para manter uma cadeia de suprimentos eficiente e lucrativa. Neste artigo, exploramos os desafios inerentes ao gerenciamento de estoques de baixa movimentação e propomos abordagens estratégicas para mitigar esses obstáculos, melhorando, assim, as operações comerciais em geral.

Tabela de Conteúdos

Garantindo uma cadeia de suprimentos lucrativa

Se você deseja fortalecer a lucratividade de sua cadeia de suprimentos e, por extensão, de toda a sua empresa, seu foco deve convergir para uma trindade de pilares fundamentais: serviço, custos e liquidez do estoque. Hoje, no entanto, nossa análise será particularmente aguda, concentrando-se no domínio do SLOB – estoque de movimentação lenta e sua contraparte antiquada, o estoque obsoleto.

Para começar, o gerenciamento eficaz do estoque de baixa movimentação e obsoleto (SLOB) requer uma abordagem proativa e estratégica que aborde tanto os sintomas quanto as causas básicas da estagnação do estoque. A primeira etapa desse processo é a identificação precisa e a revisão regular do status do estoque. Isso envolve a segmentação do estoque para determinar quais itens estão se movendo lentamente devido à demanda cíclica e quais estão realmente obsoletos. A análise preditiva avançada e as ferramentas de previsão de estoque podem ajudar significativamente nessa tarefa, permitindo que as empresas prevejam melhor os padrões de demanda e ajustem os níveis de estoque de acordo. Essas ferramentas também ajudam a identificar possíveis itens de baixa rotatividade antes que se tornem um ônus financeiro.

Em seguida, uma estratégia eficaz para minimizar o estoque de SLOB é a implementação de um sistema robusto de otimização de estoque. Isso inclui a revisão das práticas de aquisição, o aumento da precisão da previsão de demanda e a melhoria da agilidade da cadeia de suprimentos. Por exemplo, a adoção de um sistema de estoque Just-In-Time (JIT) pode reduzir os custos de manutenção de estoque e aumentar as taxas de rotatividade de estoque, alinhando as entregas de estoque mais de perto com as programações de produção. Além disso, renegociar contratos com fornecedores para permitir quantidades de pedidos e políticas de devolução mais flexíveis também pode aliviar o risco de acumular estoque em excesso. Além disso, a colaboração e a comunicação regulares com fornecedores, clientes e participantes internos são cruciais para sincronizar as operações da cadeia de suprimentos e otimizar o fluxo de estoque.

Além disso, para o estoque que inevitavelmente se torna obsoleto ou que permanece em baixa rotatividade, devem ser empregadas estratégias de liquidação criativas e eficazes. Isso pode envolver descontos em produtos para venda rápida, agrupando-os com itens mais populares ou vendendo-os para liquidantes ou por meio de mercados alternativos, como lojas de outlet ou mercados on-line. A reciclagem ou o reaproveitamento de partes do estoque para outros produtos ou usos dentro da empresa também pode ser uma maneira econômica de lidar com o estoque de SLOB. Essas estratégias não só ajudam a recuperar o valor dos estoques de baixa rotatividade, mas também liberam espaço e recursos valiosos no depósito, aumentando, assim, a eficiência e a lucratividade geral da cadeia de suprimentos.

Desvendando as nuances do estoque de baixa movimentação e obsoleto (SLOB)

Vamos começar nossa exploração desvendando uma questão fundamental: o que separa o domínio do estoque de baixa rotatividade do domínio do estoque obsoleto?

O estoque de baixa rotatividade consiste em itens que têm menor velocidade de vendas e, portanto, permanecem no estoque por mais tempo do que outros produtos. Esses itens podem variar muito, dependendo do setor, da demanda do mercado e de fatores sazonais. O primeiro desafio no gerenciamento do estoque de baixa rotatividade é identificar com precisão quais produtos se enquadram nessa categoria. Isso requer um sistema robusto para rastrear e analisar as vendas ao longo do tempo, justapostas aos níveis de estoque, para identificar os produtos que apresentam desempenho inferior de forma consistente.

Navegando no reino do estoque obsoleto

O estoque obsoleto lança sua sombra sobre produtos que caíram em desuso, expiraram ou se tornaram relíquias de eras passadas. Esses são os itens que devem ser descartados, vendidos com grandes descontos ou até mesmo doados, pois foram além dos limites da possibilidade de venda. O impacto do estoque obsoleto na saúde financeira de uma empresa é profundo, pois ele perde inexoravelmente 100% ou mais do seu valor, levando em conta os custos associados ao seu descarte.

O principal desafio representado pelo estoque de baixa rotatividade é a pressão financeira que ele exerce sobre a empresa. O capital imobilizado em mercadorias não vendidas é um capital que não está disponível para reinvestimento em outras áreas potencialmente mais lucrativas. Além disso, os itens de baixa rotatividade ocupam um espaço valioso no depósito, contribuem para aumentar os custos de armazenamento e podem se tornar obsoletos com o tempo, levando a baixas contábeis que afetam a saúde financeira da empresa.

Gerenciando com eficiência o estoque de baixa rotatividade

O estoque de movimentação lenta, coloquialmente conhecido como estoque em excesso, estoque envelhecido ou estoque residual, representa produtos que, embora não estejam desatualizados ou sejam do passado, permanecem em excesso. A presença de excesso de estoque gera custos adicionais, seja por meio de despesas de armazenamento ou pela necessidade iminente de liberar o excedente para acomodar novas coleções.

O excesso de estoque, no entanto, não equivale necessariamente à obsolescência.

Para esclarecer esse cenário labiríntico do estoque e dar adeus ao estoque lento e obsoleto, uma ferramenta fundamental à sua disposição é o cálculo da rotatividade do estoque. Você encontrará insights valiosos sobre esse assunto em meus artigos sobre “Cálculo da quantidade de pedidos econômicos (EOQ)” e “Fórmula e cálculo do estoque de segurança: 6 melhores métodos”.

O gerenciamento eficaz do estoque de baixa rotatividade depende muito de dados de inventário precisos e técnicas de previsão sofisticadas. Um desafio comum é a falta de sistemas precisos de rastreamento de estoque que possam ser atualizados em tempo real e fornecer percepções acionáveis. Sem dados precisos, a previsão se torna uma adivinhação, o que complica os esforços para alinhar os níveis de estoque com a demanda do mercado. A análise preditiva avançada pode ajudar a resolver esse problema, fornecendo previsões de demanda mais precisas e identificando possíveis retardatários antes que eles se acumulem.

Implementando o KPI do SLOB em sua empresa

Sua jornada para gerenciar com eficiência o SLOB começa com o download imediato do meu modelo gratuito do Excel, meticulosamente projetado para facilitar o cálculo rápido do indicador-chave de desempenho (KPI) do SLOB.

Outro desafio significativo é a rigidez nas operações de aquisição e cadeia de suprimentos. Os sistemas tradicionais de pedidos podem criar cenários em que as empresas compram itens em excesso devido a incentivos de compras em massa ou quantidades mínimas de pedidos impostas pelos fornecedores. Essa prática geralmente agrava o problema do estoque de baixa rotatividade. Estratégias flexíveis de aquisição, como os sistemas de estoque Just-In-Time (JIT), podem ajudar a reduzir a incidência de excesso de estoque, alinhando as compras mais de perto com a demanda real.

Crunching the Numbers: Cálculo do estoque obsoleto

A jornada para quantificar o estoque obsoleto começa com um processo de duas etapas:

Etapa 1: demarcar claramente os produtos que constituem seu estoque ativo daqueles relegados à obsolescência. Essa etapa fundamental pode ser executada manualmente ou confiada à capacidade de automação do Excel por meio do estabelecimento de parâmetros de data pertinentes. Em setores como o alimentício ou farmacêutico, os produtos estão intrinsecamente vinculados a datas específicas, que servem como árbitros de seu status – ativo ou obsoleto. Ao invocar a capacidade computacional do Excel, com a data de hoje como ponto de referência e a inclusão de datas de início e término para cada produto, você pode diferenciar rapidamente entre o novo e o obsoleto. Qualquer produto que esteja fora dos parâmetros de data definidos é inequivocamente marcado como “obsoleto”.

Etapa 2: Registre o valor de seu estoque obsoleto. A coluna F, que contém o valor de seu estoque, serve como base para o cálculo do valor do estoque obsoleto. Esse esforço matemático pode ser realizado manualmente, com cada linha de estoque obsoleto destacada e a divisão de seu valor pelo custo total do estoque. Como alternativa, uma tabela dinâmica pode ser usada para simplificar esse processo.

Quantificando o estoque de baixa rotatividade

O caminho para calcular o estoque de baixa rotatividade começa com o cálculo do giro de estoque, denominado giro de estoque. O objetivo é determinar a rotatividade do estoque para cada produto, o que é obtido dividindo-se o valor do estoque pelas vendas, posteriormente multiplicado pelo período relevante.

Depois que a fórmula é aplicada, tornando os resultados palpáveis, você se depara com a tarefa de priorização. É imperativo discernir quais produtos merecem sua atenção inicial. Notavelmente, os produtos categorizados como de baixa rotatividade não são inerentemente obsoletos. Para refinar ainda mais esse limite, você tem a liberdade de alinhá-lo com o giro de estoque abrangente, o lead time médio, os pontos de reabastecimento e os níveis de estoque de segurança.

De fato, a calibração desse limite deve ser meticulosamente adaptada para se harmonizar com as idiossincrasias de sua empresa. Esse esforço será de grande valia para delinear uma estratégia robusta de gerenciamento do excesso de estoque.

O gerenciamento do estoque de baixa rotatividade é uma parte intrincada do gerenciamento da cadeia de suprimentos que exige atenção e adaptação contínuas. Com a implementação de sistemas avançados de gerenciamento de estoque, o refinamento das técnicas de previsão e a adoção de políticas flexíveis de aquisição, as empresas podem atenuar significativamente os desafios apresentados pelos itens de baixa rotatividade. Além disso, abordagens inovadoras para a recomercialização ou o descarte responsável de itens de baixa rotatividade podem transformar possíveis passivos em ativos, sustentando, assim, o crescimento e a lucratividade dos negócios no cenário competitivo do mercado.

Em suma, embora o estoque de baixa rotatividade seja sempre um desafio para os gerentes de estoque, ele também apresenta oportunidades para melhorar a eficiência operacional e a tomada de decisões estratégicas.

Cálculo do estoque obsoleto e de baixa rotatividade (SLOB)

Passo 1: Definir produtos ativos e obsoletos

Identifique quais produtos fazem parte de seu inventário ativo e quais são considerados obsoletos. Esse processo pode ser conduzido manualmente ou automatizado no Excel, definindo as datas de início e término do produto em relação à data de hoje. Os produtos dentro da data são rotulados como “Novos”, enquanto os que ultrapassam essas datas são marcados como “Obsoletos”.

Etapa 2: Calcular o valor do estoque obsoleto

Na planilha do Excel, inclua uma coluna que reflita o valor do seu estoque. Para calcular o valor do estoque obsoleto, destaque todas as entradas marcadas como obsoletas e some seu valor total. Esse processo de cálculo pode ser simplificado com o uso de uma tabela dinâmica. É fundamental monitorar o custo total do estoque obsoleto como uma porcentagem do estoque total. É essencial monitorar esse indicador-chave de desempenho (KPI) semanalmente, e a implementação de estratégias, como promoções, pode ajudar a reduzir o nível de estoque obsoleto (SLOB).

Calculando o estoque de baixa rotatividade

Para determinar o estoque de baixa rotatividade, comece com o giro de estoque, que envolve a divisão do valor do estoque pelas vendas e, em seguida, a multiplicação pelo número de dias. Defina limites com base em suas necessidades de negócios, como aumentar o limite de rotatividade de estoque para XX dias para identificar mais produtos de baixa rotatividade, com base em uma rotatividade geral de YY dias.

Ajuste esses limites de acordo com várias famílias de produtos ou critérios comerciais, como tempo médio de espera, ponto de reabastecimento e níveis de estoque de segurança. Isso ajuda a gerenciar o estoque de forma mais eficaz, atendendo a diferentes dinâmicas de produtos.